Rentabilidade real: o efeito do tempo nos investimentos

Quando abrimos o extrato bancário ou de corretoras, costumamos visualizar o saldo subir quando o dinheiro está investido, e essa é uma ótima sensação.

Porém sabemos que esses valores são brutos, e isso não significa que esse todo esse valor é nosso.

Até que o dinheiro realmente esteja em nossas mãos podem ocorrer alguns descontos no meio do caminho, sendo que os mais conhecidos são os impostos e taxas, principalmente pelo fato deles ocorrerem nos momentos das operações.

No entanto, existe um outro desconto pouco comentado, mas que impacta notoriamente o dinheiro: o efeito do tempo.

Isso mesmo, o tempo! E ele (já dando um spoiler) afeta negativamente o dinheiro, investido ou não!

Conhecendo o efeito do tempo nos seus investimentos, é possível entender se nossos resultados estão minimamente satisfatórios e elaborar planejamentos de longos prazos mais assertivamente.

Neste artigo vamos discutir como o tempo afeta os investimentos e como calcular seus efeitos na rentabilidade dos seus investimentos.

O que é o rendimento real?

O rendimento real é o rendimento de um investimento considerando a ação da inflação (indicador que dimensiona o efeito do tempo no valor do dinheiro), o que o torna o indicador verdadeiro do quanto você está ganhando ou perdendo do aumento “natural” dos preços.

Em poucas palavras, ele será o rendimento líquido descontado da inflação.

Intuitivamente, se o impacto negativo da inflação for maior do que o impacto positivo do rendimento, o rendimento real acaba sendo negativo, e isso, na prática, significa que seu dinheiro perdeu valor, mesmo estando investido.

Antes de mostrarmos como é realizado o cálculo, vamos explicar rapidamente o que é inflação para facilitar o entendimento da importância do rendimento real.

Como avaliar o efeito do tempo no seu dinheiro: a temida inflação

A inflação nada mais é do que a perda do poder de compra do seu dinheiro conforme o tempo passa, ou em outras palavras, quão mais caras as coisas ficam com o passar do tempo.

Sendo assim, quanto mais o tempo passa, menos o dinheiro pode comprar.

Você já deve ter percebido que praticamente todas as coisas possuem aumento no seu valor com o tempo.

Um exemplo real do funcionamento da inflação: em julho de 1994 com R$2,49 era possível comprar um pacote de 5kg de arroz tipo 1, enquanto hoje em dia, os valores desse mesmo produto chegam a R$18,90. Diferença de mais de 750% em relação ao preço de 1994.

Essa diferença é equivalente a uma média de aumento de 8% por ano no preço deste produto.

Entre 1980 e 1990, vivemos a era da hiperinflação, e algumas pessoas sabem o caos que é viver numa sociedade na qual tudo muda de valor todos os dias.

Hoje, a inflação está controlada e em patamares baixos, porém é sempre possível sentir os seus efeitos se olharmos com atenção.

Origem do cadastro:
*|HTML:ORIGEMERROR|*
Receba nossos conteúdos mais recentes em primeira mão!
*|HTML:EMAILERROR|*

Entrando um pouco mais no detalhe, existem diversas taxas de inflação (como o IGP-DI, IGP-m, INPC, IPC etc) sendo que a taxa da inflação mais conhecida é o IPCA (Indice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo).

O IPCA é calculado pelo IBGE, e representa a variação dos preços de uma cesta de produtos e serviços necessária para a sobrevivência de uma família com renda mensal entre 1 e 40 salários mínimos cujos preços são coletados nas 16 principais regiões metropolitanas no Brasil.

Elaboramos um gráfico para demonstrar como o efeito da inflação forte a longo prazo.

Se você tivesse comprado algo 15 anos atrás com 200 reais, hoje você precisaria de 444 reais para comprar exatamente a mesma coisa!

Em poucos anos, é difícil sentir o efeito da inflação, mas para o longo prazo, esse efeito é muito sério.

Como é calculado o rendimento real?

O cálculo é relativamente simples, mas não ao ponto de ser possível fazer a conta de cabeça:

É possível realizar este cálculo para diversos períodos de tempo, basta considerar o rendimento líquido e a inflação sempre nos mesmos períodos.

Por exemplo, se quiser descobrir a renda real entre 2018 e 2019, basta ter em mãos o rendimento líquido do(s) seu(s) investimento(s) de 2018 e 2019 e a inflação nestes dois anos.

Veja um exemplo fictício para fixar o conceito do cálculo do rendimento real de um investimento que rendeu 8% líquido em um ano, enquanto a inflação no mesmo período foi de 4,5%:

Fazendo uma simples subtração, chegaríamos no valor de 3,5%, no entanto isso não é o correto.

Rendimento real negativo existe?

Sim, existe, e ocorre toda vez que a inflação for superior ao rendimento.

Explicando matematicamente, caso a inflação seja maior do que o rendimento, o denominador da fração será maior do que o numerador, o que faz com que o resultado dessa divisão seja menor do que 1. Por fim, na subtração com o 1, o resultado fica negativo.

Essa renda real negativa significa que o seu dinheiro perdeu para a inflação, e você perdeu poder de compra.

Isso também vale para o dinheiro guardado.

Quando algum dinheiro não está investido, podemos dizer que o rendimento atrelado é zero, e como a inflação nunca é zero ou negativa (considerando o histórico no Brasil), o resultado é uma renda real negativa.

Sendo assim, se o deixar parado, você está na realidade queimando seu dinheiro lentamente, simplesmente por ter escolhido não fazer nada com ele.

A partir de hoje, nada de deixar o dinheiro guardado no colchão!

Conclusão

Agora que você já sabe o impacto do tempo no seu dinheiro, você já pode fazer planejamentos futuros mais realistas e não ter nenhuma surpresa inesperada.

Pois, se hoje você gasta um determinado valor para se sustentar, daqui 10, 20 ou 30 anos, será necessário um valor superior ao de hoje para manter o mesmo padrão de vida, e esta diferença depende exclusivamente da inflação no período.

Pois, se hoje você gasta um determinado valor para se sustentar, daqui 10, 20 ou 30 anos, será necessário um valor superior ao de hoje para manter o mesmo padrão de vida, e esta diferença depende exclusivamente da inflação no período.

Aqui no Poupador Inteligente, vamos sempre compartilhar conteúdos que te auxiliarão a fazer boas escolhas para dominar seus rendimentos e ter o controle dos investimentos na sua mão!

Origem do cadastro:
*|HTML:ORIGEMERROR|*
Receba nossos conteúdos mais recentes em primeira mão!
*|HTML:EMAILERROR|*
Rafael Corrêa Publicado em Maio de 2020
Ficou com alguma dúvida quanto ao conteúdo ou gostaria de fazer algum comentário? Sinta-se livre para deixa-lo(a) abaixo!

Continue lendo

Se gostou desse conteúdo, com certeza também gostará destes:

Abril, 2020 Por que organizar meus investimentos em carteiras?

O que são, os benefícios e como organizar investimentos em carteiras. Descubra a melhor forma de organizar seus ativos.

Março, 2020 Como escolher um investimento – parte 1: objetivo e risco

Guia: saiba qual tipo de investimento é o mais adequado para você!


Abril, 2020 Impactos do coronavírus nos meus investimentos

Saiba o que esperar dos seus investimentos entendendo como a atual crise sanitária afeta cada um dos tipos de investimento.

Abril, 2020 Por que organizar meus investimentos em carteiras?

O que são, os benefícios e como organizar investimentos em carteiras. Descubra a melhor forma de organizar seus ativos.

Março, 2020 Como escolher um investimento – parte 1: objetivo e risco

Guia: saiba qual tipo de investimento é o mais adequado para você!


Abril, 2020 Impactos do coronavírus nos meus investimentos

Saiba o que esperar dos seus investimentos entendendo como a atual crise sanitária afeta cada um dos tipos de investimento.