Como funciona a poupança e porquê não vale a pena

Dos investimentos existentes, o mais conhecido entre os brasileiros é (de longe) a poupança. Mesmo quem não entende nada sobre investimentos já ouviu dizer em algum momento sobre a poupança, seja de um jornalista na TV, seja de um familiar, seja do gerente bancário.

E ela não é só famosa, como também é a mais escolhida entre os investidores brasileiros: no ano de 2018 mais de 88% da população investidora possuía dinheiro em poupança.

Mas, apesar de ser tão conhecida, nem todas as pessoas realmente sabem como ela funciona, pois (alerta de spoiler), se soubessem, não investiriam nela.

Neste artigo, iremos te ensinar como a poupança funciona, os seus pontos positivos e os negativos, além do porquê de seus benefícios não serem suficientes para que valha a pena.

Se você preferir, também pode assistir os principais pontos abordados no artigo através deste nosso vídeo:

O que é a poupança?

A poupança – ou caderneta de poupança, como conhecida por alguns – nada mais é do que uma modalidade de conta bancária, elaborada com um único intuito de guardar dinheiro e apresentar alguma rentabilidade (diferentemente de uma conta corrente, a qual você usa para realizar pagamentos e saques constantes).

Dessa forma, você tem direito a uma quantidade limitada mensal de serviços gratuitos, como saques, transferências e até extratos. Tudo que exceda essa quantidade pode gerar cobranças pela instituição financeira.

Um fator interessante é que os bancos são proibidos por lei, de cobrar mensalidade sobre esse tipo de conta.

O órgão regulador da poupança é o Banco Central, o qual tem a função de definir a rentabilidade desse investimento. Assim, nenhuma poupança rende mais que as outras, todas são exatamente iguais, independente da instituição financeira.

“Super” segurança da poupança

O primeiro ponto positivo é inclusive o mais famoso: a segurança.

O responsável por essa segurança é o Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que, entre outras coisas, tomará as providências para que seu dinheiro volte para você caso a instituição financeira venha a falência.

No entanto, a garantia do FGC não se limita apenas à poupança!

CDBs, LCIs, LCAs, LHs, LCs, RDBs também contam com essa segurança.

Ademais, existem os títulos públicos do Tesouro Direto que contam com ainda mais segurança, proveniente do Tesouro Nacional.

Origem do cadastro:
*|HTML:ORIGEMERROR|*
Receba nossos conteúdos mais recentes em primeira mão!
*|HTML:EMAILERROR|*

Isenção de Imposto

O segundo ponto positivo é que a poupança é livre de tributação!

Sobre ela não incide nem o imposto sobre operações financeiras (IOF), nem imposto de renda para pessoa física, nem qualquer outro imposto.

Ou seja: todo o dinheiro que ela rende é diretamente seu.

Novamente, este não é um benefício exclusivo da poupança.

LCIs e LCAs também possuem isenção, bem como CRAs, CRIs e debêntures incentivadas, e ainda, o lucro com venda de ações, desde que as vendas sejam inferiores a 20 mil reais por mês.

Liquidez da Poupança

Já o terceiro ponto positivo é a liquidez.

Na poupança você possui liquidez diária, isto é, a possibilidade de receber o dinheiro de volta no mesmo dia em que você solicitar (chamada de D+0).

Entretanto, temos que ter cuidado aqui. Você pode resgatar o dinheiro investido a qualquer momento , mas o rendimento não.

O rendimento só passa a ser considerado 30 dias após a data da aplicação, que passa a ser a “data de aniversário”, e apenas quando esse dia chega o rendimento é contabilizado, seja no primeiro mês de aplicação, seja no segundo ou qualquer outro mês.

Mais uma vez, a liquidez elevada não existe apenas para a poupança.

Alguns CDBs e vários fundos de investimento em renda fixa com a liquidez em D+0, e todas as opções do Tesouro Direto apresentam liquidez em D+1.

Ainda, existem LCAs e LCIs que, após um período de 3 meses (chamado de carência), passam a ter a possibilidade de resgate em D+0 também.

E ainda por cima todos os investimentos acumulam rendimentos diariamente, apenas a poupança apresenta essa “trava” de rendimento.

Rentabilidade da poupança: ela rende mesmo 0,5% ao mês?

Explicando o ponto fraco da poupança, vamos falar sobre rendimento!

Primeiramente é preciso ter em mente que existem “duas poupanças”, a antiga e a nova, cuja diferença é pura e simplesmente o rendimento de cada uma.

Como assim?

Até 2012, o rendimento da poupança era fixo, não importando quais as condições da economia ou da taxa de juros. Essa remuneração ainda existe para as pessoas que investiram até 03/05/2012 e não fizeram movimentações nesse dinheiro desde então.

A partir de 03/05/2012 entrou em vigência a “nova poupança” (é essa regra que vale quando você investe hoje), cujo rendimento varia de acordo com a taxa de juros do Brasil, e assim acompanha a economia do país.

Agora, vamos para o cálculo do rendimento:

Em palavras simples:

A taxa Selic é a taxa básica de juros da economia brasileira. Ela é calculada e divulgada pelo Banco Central do Brasil (Bacen), e é com ela que o Bacen “controla a velocidade da economia” de acordo com as suas demandas e planejamento.

Já a Taxa Referencial (ou TR) é calculada com algumas equações complexas, mas no final, é sempre divulgada pelo Banco Central.

Hoje, outubro de 2020, o valor da Selic é 2,0% ao ano, o menor valor em toda a história de juros no Brasil, e a TR tem valor de 0,0%

Já conseguiu entender quanto a poupança rende? É pouco, não acha?

Se você não está convencido, confira o cálculo do rendimento da poupança para um valor investido de R$5.000,00, considerando os valores atuais das taxas:

Já está parecendo pouco? E se falarmos que na verdade pode ficar pior do que parece?

Existe um fator que ninguém te conta.

Origem do cadastro:
*|HTML:ORIGEMERROR|*
Receba nossos conteúdos mais recentes em primeira mão!
*|HTML:EMAILERROR|*

A poupança versus a inflação

O cálculo que mostramos acima é referente ao rendimento nominal, ou seja, rendimento “bruto” ou “total”. Ele é o que é divulgado por todas as fontes de informações.

O que ninguém te conta é sobre o rendimento real, que considera os descontos do “fator tempo” nos seus investimentos.

Caso queira entender este tópico com detalhes, recomendamos que visite nosso artigo exclusivo sobre renda real.

Vamos agora calcular o rendimento real da poupança considerando os números reais de hoje:

A expectativa para a inflação no Brasil para os próximos 12 meses é de aproximadamente 2,4% - segundo estimativa do Banco Central. Se descontarmos esses 2,4% de inflação dos 1,4% referentes ao rendimento nominal da poupança, chegamos num rendimento real NEGATIVO de 0,29% ao ano!

Conforme explicamos com mais detalhes no artigo, essa rentabilidade real negativa isso significa que você perderá dinheiro!

Ou seja, investir hoje na poupança é sinônimo de perder dinheiro a longo prazo.

Colocando na balança: a poupança vale a pena?

A segurança, a liquidez diária e a inexistência de impostos para a poupança realmente são ótimos benefícios! São poucos os investimentos que possuem tais qualidades.

No entanto, como já explicamos, essas qualidades não são exclusivas da poupança, assim, vamos fazer comparações de rendimento para analisar quais são melhores opções.

Veja uma comparação entre a poupança e um CDB de liquidez diária, que é um investimento que possui a mesma segurança, mesma liquidez, mas não é isento de imposto, projetando retorno para um período de 30 dias de investimento. Este CDB possui retorno de 101% do CDI.

Esse investimento teria um retorno 5% maior no período de 1 mês.

Parece pouca a diferença?

É porque o prazo de investimento está muito pequeno.

Vamos abrir mão da liquidez diária para pensarmos num exemplo um pouco (mas nem tanto) mais longo.

Existe no mercado LCAs de liquidez de 90 dias. São investimentos que possuem a mesma segurança, também é isento de imposto e após o período de 3 meses, também apresenta liquidez diária. Esta LCA possui retorno de 89% do CDI.

Agora já dá para sentir uma diferença maior, não? 30% a mais de retorno com praticamente as mesmas vantagens da poupança em 3 meses.

Por último, veja um exemplo de longo prazo.

Existem CDBs com vencimento após 4 anos. Estes CDBs possuem a mesma segurança que a poupança, mas existe cobrança de imposto nos seus rendimentos, e nesse caso é necessário esperar o período de 4 anos para resgatar o valor investido. Este CDB possui rendimento de 140% do CDI.

Veja como é interessante: é possível ter um retorno 56% maior que a poupança no longo prazo mesmo investindo num ativo com mesma segurança mas que ainda teve seu rendimento “prejudicado” pela cobrança de impostos!!

Conclusão

E aí, parece que todas as vantagens da poupança sumiram?

Se outros investimentos que possuem as mesmas características e podem render mais, por que escolher a poupança?

E isso que comentamos apenas sobre 1 tipo de investimento (renda fixa), mas existem muitos outros (para não falar todos) que podem performar melhor que a poupança.

Porém, muito cuidado aqui, não basta escolher um investimento qualquer, é necessário escolher um investimento que esteja alinhado aos seus objetivos, realidade e expectativas, para evitar problemas e frustrações futuras!

Conheça nosso guia para escolher o melhor investimento para você e dê o primeiro passo para investir melhor.

Faça seu dinheiro trabalhar para você e tenha resultados de verdade!

Ainda tem alguma dúvida sobre a poupança? Deixe sua pergunta nos comentários que teremos o maior prazer em ajuda-lo!

Inscreva-se em nossa newsletter e fique por dentro dos nossos conteúdos mais recentes!

Nós, do Poupador Inteligente, estamos aqui para te ajudar a aprimorar seus conhecimentos sobre investimentos.

Seja para você que está começando a pesquisar sobre investimentos, seja para você que já investe e quer aprender como melhorar seus investimentos!

Origem do cadastro:
*|HTML:ORIGEMERROR|*
Receba nossos conteúdos mais recentes em primeira mão!
*|HTML:EMAILERROR|*
Rafael Corrêa Publicado em Maio de 2020
Ficou com alguma dúvida quanto ao conteúdo ou gostaria de fazer algum comentário? Sinta-se livre para deixa-lo(a) abaixo!

Continue lendo

Se gostou desse conteúdo, com certeza também gostará destes:

Março, 2020 Como escolher um investimento – parte 1: objetivo e risco

Guia: saiba qual tipo de investimento é o mais adequado para você!


Fevereiro, 2020 O que deve mudar no investidor brasileiro

Não cometa os mesmos erros e potencialize seus investimentos

Abril, 2020 Impactos do coronavírus nos meus investimentos

Saiba o que esperar dos seus investimentos entendendo como a atual crise sanitária afeta cada um dos tipos de investimento.

Março, 2020 Como escolher um investimento – parte 1: objetivo e risco

Guia: saiba qual tipo de investimento é o mais adequado para você!


Fevereiro, 2020 O que deve mudar no investidor brasileiro

Não cometa os mesmos erros e potencialize seus investimentos

Abril, 2020 Impactos do coronavírus nos meus investimentos

Saiba o que esperar dos seus investimentos entendendo como a atual crise sanitária afeta cada um dos tipos de investimento.