Financiar um imóvel ou alugar até comprar à vista: qual a melhor alternativa?

O sonho da casa própria acompanha a vida de grande parte da população brasileira. Porém, essa conquista envolve diversos desafios e exige muito planejamento.

Adquirir um imóvel envolve uma imensa parte dos recursos da família. Por isso, refletir sobre as possibilidades de compra é essencial para escolhas eficientes.

Entre as alternativas existentes, as vantagens e diferenças entre um financiamento e compra à vista geram muitas dúvidas a quem planeja comprar um imóvel.

Neste artigo, explicaremos as características das duas possibilidades, os custos envolvidos e pontos positivos de cada uma delas.

Fatores envolvidos em um financiamento

Comprar uma casa à vista, infelizmente, ainda não condiz com a realidade de muitos brasileiros. Como foi explorado neste outro artigo do Poupador, a maioria da população não tem um planejamento financeiro e nem conhecimento sobre o assunto, o que dificulta a reflexão sobre as alternativas na hora de adquirir bens que demandam grande acúmulo de recursos.

Os financiamentos consistem em um empréstimo do banco direcionado à compra de um imóvel ou outros bens, que deve ser devolvido mensalmente através de parcelas preestabelecidas. Eles são altamente incentivados por instituições financeiras devido ao lucro por elas obtido a partir das taxas adicionais.

Embora haja a vantagem de os juros de crédito imobiliário estarem mais baixos atualmente, eles ainda são presentes e representam um valor significativo ao final do pagamento do imóvel, o que torna a compra evidentemente mais cara.

Além disso, o risco de perder o imóvel caso as parcelas não sejam pagas assusta diversos compradores. Isso ocorre porque a casa ou apartamento pertence ao banco até que o financiamento seja quitado.

Ou seja, o comprador só possui o imóvel, de fato, ao final da dívida.

Entre os pontos positivos de financiar o imóvel, destaca-se o longo prazo de contrato. Isso possibilita que as parcelas mensais não sejam elevadas e atraiam mais pessoas a esse método de compra.

Por outro lado, é necessário lembrar que essa dívida acompanhará o comprador por muitos anos e pode ser um desafio em períodos de dificuldade financeira.

Outro fator que atrai muitos compradores aos financiamentos é o fato de não ser necessário ter todo o valor do imóvel em mãos. Porém, normalmente, os financiamentos demandam uma entrada que supera 15% do valor do imóvel e pode variar de acordo com a instituição escolhida.

Por isso, antes de escolher essa alternativa, há inúmeras questões a serem estudadas. Você deve refletir sobre qual será o prazo do financiamento, qual o valor total pago ao fim pelo imóvel – considerando os juros – e quanto tempo seria necessário para juntar o valor da entrada.

Origem do cadastro:
*|HTML:ORIGEMERROR|*
Quer estar atualizado sobre o mundo dos investimentos antes de todo mundo? Faça parte da nossa comunidade!
*|HTML:EMAILERROR|*

Alugar um imóvel: o que deve ser refletido

Uma segunda alternativa que pode ser considerada na compra de uma casa é o aluguel até atingir recursos suficientes para adquirir um imóvel à vista.

Essa possibilidade exige organização financeira do comprador e interesse sobre o mundo dos investimentos, uma vez que os recursos devem ser investidos até alcançar o valor total da compra.

O aluguel consiste no pagamento de um valor mensal enquanto a pessoa mora no imóvel. Assim como o caso do financiamento, a casa não é, de fato, do morador e o não pagamento pode gerar uma situação de despejo e devolução da casa.

Alugar um imóvel até ter o recurso para investir na casa própria possui algumas vantagens, como a possibilidade de se mudar para diferentes bairros e cidades até que o comprador saiba, de fato, onde ele quer adquirir um imóvel.

Além disso, enquanto a pessoa estiver morando de aluguel não terá responsabilidade sobre os custos de manutenção da casa, o que é uma forma de economizar recursos que não ocorreria morando em um imóvel financiado.

O aluguel em algumas regiões é mais barato e vantajoso do que a parcela de um financiamento.

Assim, o morador poderia pagar o aluguel e direcionar o restante equivalente à parcela a um investimento. Ao alcançar recursos suficientes para a compra à vista, a possibilidade de negociação é maior, o que favorece valores totais mais atrativos.

Por isso, para escolher essa alternativa, é necessário que o comprador escolha (ou receba ajuda para escolher) um investimento rentável para alocar os recursos durante os anos e tenha disciplina financeira para poupar o valor até comprar o imóvel à vista.

Como decidir a melhor opção

Os cálculos envolvidos não são simples, uma vez que existem muitas variáveis e um longo período envolvido.

Mas não se preocupe, pois existe uma ferramenta que fez esses cálculos para você!

O site URBE.ME possui uma ferramenta para calcular e fazer comparativos entre situações de financiamento e aluguel. Nela, é possível adicionar o valor do imóvel, as taxas de financiamento, o tempo de entrega da casa e o prazo a ser financiado. Assim, o comprador pode verificar em números a alternativa mais vantajosa para cada situação.

Para facilitar o entendimento, vamos simular a compra de um imóvel de R$ 400 mil e comparar os resultados entre financiar e comprar à vista.

Supõe-se que o comprador desse imóvel de R$ 400 mil possui 30% do valor para dar de entrada, ou seja, R$ 120 mil. Com um financiamento de juros de 8% ao ano cobrados pelo banco e prazo de quitação de 30 anos, o comprador pagará uma parcela mensal de R$ 2.079,43.

Image placeholder

[Imagem: Reprodução/URBE.ME]

Além disso, há um acréscimo significativo no valor total ao final do financiamento. Com os juros e taxas bancárias, o imóvel custará R$ 628.593,14, ou seja, um aumento de quase R$ 230 mil em relação ao valor original do imóvel!

Image placeholder

[Imagem: Reprodução/URBE.ME]

Origem do cadastro:
*|HTML:ORIGEMERROR|*
Quer estar atualizado sobre o mundo dos investimentos antes de todo mundo? Faça parte da nossa comunidade!
*|HTML:EMAILERROR|*

Há também a outra possibilidade citada, de alugar uma casa até ter valor suficiente para comprar à vista o imóvel de R$ 400 mil. Imagina-se que o comprador more em um local em que o valor do aluguel é R$ 1.500/mês e os R$ 120 mil que ele possui em investimentos seriam direcionados à entrada.

Em adição a esse valor, o comprador também poderia investir, a um juros de 5%, a diferença entre o valor do aluguel e o valor que seria direcionado à parcela mensal do financiamento simulado na imagem anterior, ou seja, R$ 579,43 (R$ 2.079,43 – R$ 1.500,00).

Seguindo com a aplicação dos R$ 120 mil e os investimentos mensais de R$ 579,43, supondo as demais taxas constantes, é possível alcançar o valor de R$ 547.427,62 em 19 anos e 10 meses.

Esse valor total já considera uma possível valorização do imóvel durante os anos de investimento, uma vez que a casa que hoje custa R$ 400 mil sofrerá um acréscimo natural ao longo do tempo.

Nessas condições, a moradia de aluguel até obter recursos para comprar à vista se mostra mais vantajosa. Além da obtenção da casa própria em menos anos, os custos são mais atrativos nessa modalidade, visto que representa uma economia de quase R$ 13.690,00.

Image placeholder

[Imagem: Reprodução/URBE.ME]

Conclusão

Como foi mostrado, adquirir a casa própria envolve planejamento e inúmeros cálculos para verificar a melhor alternativa para sua própria realidade.

Os cálculos mostram que financiamentos são uma escolha menos atrativa, em 99% dos casos, visto que os juros tornam o valor total superior e o prazo de quitação acaba sendo maior do que os investimentos para a compra à vista.

Cabe ao comprador escolher o melhor caminho de acordo com requisitos pessoais e é compreensível que algumas pessoas não conheçam alternativas além do financiamento. Ainda há muita desinformação financeira no país e maioria da população não está acostumada com o mundo dos investimentos.

É perceptível que na maioria dos casos não vale a pena financiar, mas sim acumular recursos para comprar à vista o imóvel.

Independente de qual seja a sua escolha, é preciso pesquisa, planejamento, disciplina e investimento consciente para uma compra que não desestabilize a sua segurança financeira.

À vista ou financiado, a nossa equipe pode te ajudar a encontrar o melhor investimento para começar a planejar o seu sonho!

Se tiver alguma dúvida sobre o assunto, nos envie um comentário que entraremos em contato para te ajudar.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos e não esqueça de se inscrever na nossa Newsletter para receber novos assuntos em primeira mão.

Origem do cadastro:
*|HTML:ORIGEMERROR|*
Quer estar atualizado sobre o mundo dos investimentos antes de todo mundo? Faça parte da nossa comunidade!
*|HTML:EMAILERROR|*
Rafael Corrêa
Giovanna Oliveira
Publicado em Janeiro de 2021
Ficou com alguma dúvida quanto ao conteúdo ou gostaria de fazer algum comentário? Sinta-se livre para deixa-lo(a) abaixo!

Continue lendo

Se gostou desse conteúdo, com certeza também gostará destes:

Novembro, 2020 A importância da reserva de emergência

Veja a importância da reserva de emergência para seus investimentos e saiba como alcançar uma maior segurança financeira.

Dezembro, 2020 Economia brasileira: o que a população sabe sobre finanças

Entenda qual é o perfil brasileiro nas finanças, por que as pessoas não investem e quais as percepções sobre a aposentadoria.

Novembro, 2020 CDB: o que você precisa entender sobre o investimento

O CDB acaba sendo o primeiro passo da transição da poupança para uma opção de investimento mais rentável.

Outubro, 2020 O que é e como lucrar com o Long & Short

Aprenda tudo sobre essa estratégia de operação de ações e diversifique ou proteja seus investimentos!

Setembro, 2020 Investimentos e seus impostos: Renda Variável

Nos investimentos em renda variável, você é o responsável pelo pagamento dos impostos. Fique por dentro!

Março, 2020 Como escolher um investimento – parte 1: objetivo e risco

Guia: saiba qual tipo de investimento é o mais adequado para você!